Extravio de bagagem: direitos, o que fazer e 3 dicas para evitar em viagens corporativas

viajantes corporativos com receio de extravio de bagagem

Segundo dados da Sita, empresa especializada em tecnologia no setor aéreo, há um total de 4,3 malas extraviadas para cada mil passageiros de avião. Mesmo que as chances não sejam altas, o extravio de bagagem em viagens corporativas é sempre uma possibilidade, principalmente quando há conexões.

Situações como essa são bastante incômodas, podem comprometer a viagem e até gerar despesas inesperadas para o viajante e para a empresa. Mas há alguma forma de se proteger desse problema? E quando acontece: o que fazer? Quais são os direitos do viajante?

Dúvidas como as citadas acima são comuns, mas muito importantes para gestores de viagem e viajantes corporativos.

O passageiro que tem a bagagem extraviada tem direito a indenizações para variadas situações, mas que variam de acordo com o território.

Os direitos do viajante são diferentes quando a perda da mala acontece em território nacional e internacional. De qualquer forma, o aconselhado é que a reclamação formal seja feita ainda no aeroporto.

Dependendo da situação, é possível receber uma ajuda de custo que é destinada à compra de itens de primeira necessidade. Mas, como é um valor baixo, a viagem pode ser praticamente perdida, caso a recuperação demore muitos dias.

Seja como for, é importante fazer um planejamento e controle de viagens que inclua os imprevistos, pois essa é a melhor forma de lidar com o extravio da mala e garantir que o deslocamento não seja em vão.

Para passar por essa situação é necessário uma política de viagens que define diretrizes que ampare os colaboradores caso ocorra e que os oriente sobre como evitar.

No documento precisa estar descrito que o check-in deve ser feito com antecedência para evitar que a armazenagem da bagagem seja feita às pressas e se perca no caminho, por exemplo. Quer saber como sobreviver a essa dor de cabeça? Acompanhe a leitura.

Os direitos do consumidor que tem a mala extraviada

mulher aguardando para ver se ocorreu o extravio de sua bagagem

O prejuízo é grande quando uma mala é perdida. A falta de equipamentos necessários para realizar um trabalho ou matérias importantes para feiras e congressos, por exemplo, representam oportunidades perdidas.

Muitas pessoas também ficam em situações difíceis quando perdem suas roupas. Essa situação fica mais difícil quando a organização não tem valores destinados a emergências. 

Além disso, o colaborador pode se sentir desamparado se o processo de adiantamento ou reembolso de despesas for demorado.

Por esse motivo, o viajante pode solicitar o valor da indenização por danos morais, já que ao pensar sobre o que levar para a viagem corporativa, ele coloca na mala tudo que será necessário.

É importante ressaltar que cada caso é avaliado individualmente e só é considerado dano moral quando a situação é vexatória.

De qualquer forma, a lei sobre extravio de bagagem funciona diferente em território nacional e internacional.

Para as companhias aéreas atuantes no Brasil é válido o Código de Defesa do Consumidor. Enquanto para o exterior vale a Convenção de Montreal. O extravio de bagagem rende muita dor de cabeça, confira a seguir como proceder e os direitos em cada situação.

Direitos em viagens nacionais

A perda de bagagem gera muita dor de cabeça, mas há medidas que podem ser tomadas para minimizar os problemas. O aconselhável é que a reclamação seja feita no momento do desembarque, pois, assim, a resposta não demora mais.

Em voos domésticos o limite máximo de indenização é de R$ 8,6 mil, mas caso a mala tenha bens que ultrapassem o teto é possível fazer uma declaração especial de valor.

Caso o viajante esteja transportando valores maiores que o limite de indenização é possível fazer uma declaração especial de valor para a companhia, o que possibilita o aumento desse limite.

O prazo de resposta em relação a mala nesse caso é de 7 dias. Confira abaixo valores de restituição, prazos e o que fazer quando a mala é violada ou extraviada.

  • bagagem extraviada: ao perceber que houve extravio de bagagem é preciso comunicar à empresa no balcão ou em local indicado . O fato pode ser registrado em até 7 dias, mas o aconselhável é que seja comunicado no momento do desembarque. O prazo para retornar é de 7 dias e, caso a mala não seja encontrada, o valor máximo restituído é de R$ 8,6 mil;
  • bagagem avariada ou violada: o passageiro deve fazer a reclamação até 7 dias depois de desembarcar, mas o ideal é que seja feito ainda no aeroporto ao desembarcar assim que o dano for percebido. O prazo de retorno da companhia é de uma semana e o valor máximo de restituição é de R$ 8,6 mil.

A mala nem sempre é encontrada, o que gera outras complicações, confira abaixo mais informações sobre outros tipos de indenizações possíveis:

  • gastos emergenciais: se o extravio de bagagem acontecer em um voo de ida, o viajante pode solicitar uma compensação para gastos emergenciais assim que pousar. A companhia aérea deve fornecer um valor em torno de R$ 305 horas após o pedido para ser gasto com itens de primeira necessidade;
  • danos morais: a jurisprudência entende que há danos morais se o extravio de bagagem perdurar por mais de 72h. Então, é possível entrar com ação judicial sem prazo de validade definido para ser iniciado ou acabar. O valor da indenização varia de acordo com o caso, mas flutua entre R$ 3 mil e R$ 10 mil.

Direitos em viagens internacionais

Para os voos internacionais, o Código de Defesa do Consumidor não é válido. A lei que rege o assunto é a Convenção de Montreal. Sua cobertura é diferente, por isso ressaltamos a importância de planejar a viagem com antecedência.

O valor máximo reembolsado pelas companhias aéreas internacionais é de R$ 5,9 mil, mas é possível aumentar, assim como no Brasil, mas, para isso é preciso fazer a declaração de bens junto a empresa, que dá uma resposta em relação aos pertences em até 21 dias.

Se valores forem declarados e uma taxa for paga é possível aumentar o limite de indenização. Confira os valores reembolsados, prazos e o que fazer quando a mala é violada ou extraviada em viagens internacionais:

  • bagagem extraviada: a reclamação junto à companhia aérea deve ser feita em até 7 dias a partir do desembarque do passageiro. A empresa tem um prazo de 21 dias para dar uma resposta e reembolsar um valor máximo de R$ 5,9 mil caso a mala não seja encontrada;
  • bagagem avariada ou violada: a empresa deve ser comunicada em até 7 dias após o desembarque e deve retornar com uma resposta em até 21 dias. O ideal é comunicar o acontecido assim que o dano for percebido para receber uma indenização de até R$ 5,9 mil, quando confirmado.

Confira mais informações sobre outros tipos de indenização quando a bagagem não é encontrada dentro do prazo.

  • gastos emergenciais: nas viagens internacionais é feito um reembolso diário, que varia para cada empresa e visa dar assistência para itens de primeira necessidade, sendo obrigatório apresentar os comprovantes de gastos. A solicitação para essa indenização deve ser feita no momento do desembarque e o retorno é dado no mesmo dia;
  • danos morais: se o passageiro sentir que não foi totalmente compensado pela empresa é possível buscar a justiça para entrar com ação de danos morais. O prazo de validade para dar início ao processo é de até 2 anos após o ocorrido. A indenização muda de acordo com o entendimento da lei da situação, mas os valores varam entre R$ 3 mil e R$ 10 mil.

O que fazer quando a mala é extraviada em uma viagem de negócios?

Mesmo quando o planejamento de uma viagem corporativa é feito da forma correta, o risco de extravio de bagagem ainda existe. Logo, há possibilidades de desembarcar no destino e, mesmo assim, não poder contar com os itens que foram levados.

Ao embarcar para uma viagem de negócios, viajantes levam roupas para as ocasiões necessárias e até equipamentos que são essenciais para cumprir seus objetivos. Mas o que fazer quando a companhia aérea informa que sua mala foi extraviada e não estará disponível?

O primeiro passo é realizar a reclamação formal já no desembarque. Para isso, é necessário exigir o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB). Com esse documento, é possível formalizar o ocorrido ao apresentar o comprovante de despacho da bagagem e reivindicar seus direitos.

Em situações em que a empresa aérea dificulta essa formalização ou se nega a fazê-la, o passageiro deve abrir um Boletim de Ocorrência.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) ainda fornece um portal para que passageiros possam realizar reclamações diretamente contra as companhias aéreas.

É importante se atentar ao prazo de resolução apresentado pela empresa. Se o tempo for maior do que 72h, o viajante pode exigir a indenização pela perda da bagagem e entrar com ação por danos morais.

A importância de uma boa política de viagens corporativas

Diversos problemas aparecem sem uma política de viagens e altos gastos é apenas um deles. Sem um prazo definido para fazer a reserva e compra das passagens, elas podem ser adquiridas de última hora, aumentando o número de conexões.

É importante acusar no documento que o colaborador deve procurar por passagens com antecedência e preferir conexões que tenham entre uma e duas horas.

Acesse nosso conteúdo sobre política de viagem corporativa caso queira construir a sua ou baixe nosso modelo editável gratuito para economizar tempo.

modelo de política de viagens corporatiavas

Além disso, a política de viagens deve conter uma série de boas práticas que ajudem o colaborador a passar pela situação. Um dos pontos que devem ser considerados é o seguro de viagem corporativo, inclusive. A cobertura da mala extraviada garante que o impacto negativo seja menor

Faça um bom planejamento

O planejamento das viagens é outra questão que precisa de atenção. Os gestores que buscam reduzir custos podem acabar fazendo economias desnecessárias. O famoso ‘o barato sai caro’.

Procurando economizar, muitas vezes o responsável opta por fazer uma rota com muitas conexões, mas, quanto mais houverem e menor for o tempo entre uma e outra, maior a chance de que a bagagem seja extraviada.

Um bom planejamento de viagens corporativas garante a diminuição desse risco, prezando por uma economia consciente.

Uma boa prática nessas ocasiões é fazer voos diretos ou conexões com a mesma companhia aérea, priorizando aquelas com mais de uma hora em voos domésticos. Já para os voos internacionais, prefira as conexões com mais de duas horas.

Quer saber mais sobre como fazer um bom planejamento das viagens dos colaboradores? Baixe nosso E-book gratuito e veja como reduzir custos sem perder a qualidade dos serviços.

Ebook Dicas de planejamento financeiro para viagens corporativas.

3 dicas para reduzir riscos de ter sua bagagem extraviada

O viajante não tem como eliminar o risco de ter sua bagagem extraviada. No entanto, há algumas práticas que ajudam a reduzir as possibilidades de a companhia aérea perder a sua mala na viagem.

Já os gestores que querem evitar essa dor de cabeça para seus colaboradores que viajam a trabalho precisam ter em mente o conceito de Duty of Care. Ao prezar pelo bem-estar e segurança dos funcionários, podem fazer recomendações para aumentar o cuidado com as bagagens.

Além de optar por levar itens de maior importância e valor na bagagem de mão, também é recomendado que o passageiro siga medidas como:

  • identificação da mala;
  • priorização de check-ins adiantados;
  • uso da localização por GPS.

Identifique a mala

A forma mais simples de evitar que a mala seja pega por engano ou facilitar o contato após encontrada é identificando ela. Instrua os viajantes a colocarem chaveiros, adesivos, fitas e etiquetas com informações pessoais – nome, telefone, e-mail, endereço, etc.

Malas chamativas para evitar que a bagagem extraviada

Ao fazer a devida identificação da mala, outros passageiros não a pegarão por engano e, caso seja extraviada ou perdida, a empresa aérea tem os dados para entrar em contato

É a maneira mais simples de evitar problemas, mas também uma das mais importantes, visto que muitas malas são parecidas ou iguais e economiza tempo hábil da companhia para contatar o colaborador.

Priorize check-ins adiantados

Quem viaja com frequência sabe que fazer o check-in em cima da hora pode ser um grande problema. Geralmente, as pessoas associam o check-in atrasado à demora ou perda do voo, mas nem todo mundo sabe que essa prática aumenta a chance do extravio da mala.

Os pertences despachados podem não chegar ao porão do avião a tempo quando o viajante passa pelo guichê muito próximo à hora de embarque. Além disso, o passageiro não consegue conferir as informações fixadas na bagagem.

Faça uso da localização por GPS

Como localizar a bagagem extraviada é uma grande dúvida entre muitos viajantes. Uma forma eficiente de encontrar a mala perdida é usando etiquetas inteligentes e dispositivos que têm geolocalização.

O funcionário pode encontrar os itens perdidos pelo aplicativo de forma rápida desembolsando entre R$ 150 e R$ 350.

Evite maiores dores de cabeça com a bagagem extraviada usando a ExpenseOn

A perda de uma mala rende muito estresse para todos os envolvidos. O colaborador que ficou sem sua mala vai precisar comprar roupas, o que gera gastos e a necessidade de fazer o reembolso de despesas.

A organização que prefere não reembolsar, mas enviar valores pode fazer o adiantamento de despesas nessa ocasião. Mas, o colaborador pode ficar no escuro, caso a empresa seja muito burocrática em relação ao envio de valores.

Para evitar essas situações há as alçadas de aprovação da ExpenseOn, que garante um fluxo de aprovação eficiente e personalizável conforme a realidade de cada organização. Dessa forma, o reembolso é realizado rapidamente quando um gasto é feito.

Quer saber mais sobre essas e outras funcionalidades? Solicite uma demonstração gratuita agora mesmo.

ExpenseOn Help Chat
Enviar via WhatsApp