O que é EBITDA? Entenda o significado da sigla e descubra como calcular

gestor apresentando cálculo de EBITDA da empresa

O EBITDA é um indicador fundamental para a gestão financeira das empresas. Muito conhecido por investidores da Bolsa de Valores, esse KPI é peça-chave tanto para empresas grandes quanto para pequenas, uma vez que permite visualizar muito além do lucro líquido e do prejuízo da organização.

É através do EBITDA que gestores conseguem analisar a saúde financeira da companhia de maneira mais aprofundada e tomar decisões mais assertivas. 

Ao calcular e avaliar esse indicador, é possível descobrir o quanto a empresa está gerando de caixa, considerando apenas as atividades operacionais. Ou seja, não são considerados impostos, empréstimos ou investimentos.

Talvez você já tenha ouvido o termo em algum momento, mas pode  estar se perguntando: o que significa EBITDA? A sigla é um acrônimo em inglês para “Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization” – significa Lucros Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização, em português.

Em português, o indicador também é conhecido como LAJIDA, sigla que se refere à tradução livre do acrônimo.

Agora que você já conhece o significado, podemos partir para a definição prática.

Para quê serve o EBITDA?

O objetivo do EBITDA é verificar fatores como a competitividade, produtividade e eficiência de uma organização. Esse indicador financeiro permite medir, com rigor, o resultado líquido do negócio.

Para tal, ele mostra apenas o lucro gerado por meio da atividade fim da companhia, destacando o resultado final e apresentando a lucratividade da empresa.

A finalidade é garantir que uma avaliação de qualidade sobre o desempenho seja feita de maneira limpa, possibilitando aos decisores financeiros – sejam sócios ou mesmo o Chief Financial Officer – visualizar os frutos da organização no presente para conseguir tomar as melhores decisões.

Além disso, quando o EBITDA cresce significa que essa instituição é produtiva e eficiente. Da mesma forma, quando esse valor desce, mostra que ela não está financeiramente saudável e precisa de atenção quanto à geração de caixa.

Lembre, no entanto, que no que diz respeito às ações de empresas, este não é o único indicador importante. Leia nosso conteúdo com 10 KPIs financeiros para acompanhar na sua empresa.

Infográfico - 7 passos simples para melhorar os processos financeiros da empresa.

EBIT e EBITDA: qual é a diferença?

Antes de fazer o cálculo de EBITDA, é necessário calcular o lucro operacional líquido (EBIT) da companhia. Para isso, você precisará de informações financeiras encontradas diretamente na Demonstração de Resultados de Exercício (DRE), como:

  • lucro operacional;
  • depreciação;
  • amortização.

A principal diferença entre o EBITDA e o EBIT é que o primeiro inclui depreciação e amortização, como mencionado anteriormente, enquanto o segundo não coloca esses fatores dentro de seu cálculo.

Assim, precisamos encontrar o lucro operacional líquido antes de entender como é feito o cálculo do EBITDA.

Cálculo de lucro operacional

É o lucro produzido diretamente pela operação, discriminando despesas operacionais e administrativas, além dos gastos comerciais.

O EBIT fornece uma visão ampla sobre o desempenho financeiro e pode ser calculado da seguinte forma:

  • lucro operacional líquido (EBIT) = lucro bruto – (despesas operacionais + receitas operacionais)

Cálculo de depreciação

A depreciação é a apuração do valor de um ativo que se deprecia ao longo de sua vida útil. Consiste em verificar o quanto um bem reduziu de valor por perda de serventia ou por desgaste, que pode ocorrer pela obsolescência, natureza ou ação humana.

No caso da empresa, bens como equipamentos, maquinário e até imóveis podem entrar na conta, feita da maneira descrita abaixo:

  • depreciação = (custo de aquisição – valor residual) / anos de vida útil

Cálculo de amortização

A amortização segue uma lógica bem parecida com a depreciação, uma vez que consiste em verificar o quanto um ativo perdeu valor. Mas, nesse caso, não se trata de um ativo físico e sim de um ativo intangível, como valor de marca, patentes, etc.

O cálculo pode ser feito assim:

  • amortização = (valor inicial – valor residual) / vida útil

Fórmula do EBITDA: como calcular a margem na prática

Uma vez que você tenha em mãos as informações de lucro operacional líquido (EBIT), basta aplicar a fórmula de cálculo do EBITDA padronizada pela Comissão de Valores Mobiliários para chegar ao resultado final:

  • EBITDA = lucro operacional líquido + depreciações + amortizações

Para ficar mais fácil a visualização, vamos a um exemplo prático.

Imagine uma empresa que apresente os números a seguir:

  • receita líquida: R$50.000,00;
  • custo de mercadorias vendidas: R$4.000,00;
  • despesas gerais: R$3.500,00;
  • despesas com vendas: R$5.500,00;
  • despesas com Depreciação: R$600,00;
  • despesas com Amortização: R$900,00;
  • despesas administrativas: R$1000,00.

A partir disso, a primeira coisa que você precisa fazer é calcular todas as despesas operacionais. Ou seja, é preciso somar as despesas gerais, com vendas, com depreciação e amortização e administrativas.

No exemplo acima, a somatória dessas despesas é de R$11.500,00.

Feito isso, calcula-se o EBIT dessa forma:

  • EBIT = R$50.000 – (R$11.500 + R$4.000) = R$34.500,00

Por fim, o cálculo do EBITDA ficaria:

  • EBITDA = R$34.500 + R$600 + R$900 = R$36.000,00

As vantagens e desvantagens do EBITDA como indicador

Esse KPI é essencial em qualquer análise ao mostrar o nível de lucratividade de uma companhia. Avaliá-lo sem olhar para outros indicadores, no entanto, pode ser prejudicial no longo prazo.

Por isso, há os prós e contras de se utilizar o EBITDA como indicador. Confira abaixo.

Vantagens do EBITDA

  • Permite ao analista verificar a eficiência e produtividade de uma organização;
  • A evolução deste indicador demonstra a capacidade de uma empresa em proporcionar produtividade e eficiência;
  • Comparar o EBITDA entre setores e empresas oferece uma análise de competitividade;
  • Como é um indicador universal, porque não considera impostos, possibilita comparações internacionais.

Desvantagens do EBITDA

  • Ao usar somente o EBITDA como um indicador para fazer a análise, você exclui alavancagens que podem mudar totalmente o caixa e resultado no futuro;
  • Organizações que investem em ativos financeiros não são recompensadas, já que o analista não leva isso em conta;
  • A habilidade de uma instituição de transformar investimentos em dinheiro é fundamental para compreender o verdadeiro valor de um negócio, mas o EBITDA não considera a liquidez;
  • Apesar de apresentar um EBITDA positiva, prejuízos líquidos podem existir.

Melhorando os processos com ExpenseOn

Na hora de analisar a sua instituição podem surgir diversas questões complicadas. Para quem faz o registro das despesas e a construção de relatórios de forma manual, a dificuldade dobra.

No meio do caminho despesas podem acabar perdidas no meio de tanta papelada e encontrar essas informações pode levar tempo. Além disso, a construção dos relatórios podem ser demoradas, tomando muito tempo de trabalho.

Com a função Analytics da ExpenseOn você consegue ver todos os dados da gestão de despesas em um único lugar. É possível elaborar gráficos automáticos e criar personalizações conforme a sua necessidade.

A emissão de relatórios de despesas que nós oferecemos lhe garante produzir relatórios com um clique apenas. Você consegue categorizar as informações de acordo com a configuração que você estipular.

Cada gasto é organizado de forma automática pelo sistema. Além de possibilitar a elaboração de relatórios baseados em período, tipos de gastos e por centros de custo.

Quer saber como a ExpenseOn pode ajudar a revolucionar a gestão de despesas na sua empresa? Solicite uma demonstração gratuita agora mesmo.

O título em destaque é "Otimize a sua gestão de reembolso". Abaixo, lê-se "Escaneie notas fiscais, solicite adiantamentos, acompanhe aprovações em tempo real e muito mais" com o botão "Agendar demonstração".
ExpenseOn Help Chat
Enviar via WhatsApp