O que é gestão de crise, como lidar e dicas importantes

planejamento para gestão de crise

Se você faz parte do meio organizacional, provavelmente já ouviu falar da gestão de crise. Trata-se de uma ferramenta responsável pelo controle dos prejuízos ocorridos durante uma situação negativa.

Muito se fala sobre as diferenças entre gestão de crise e gestão tradicional, através de termos como liderança de guerra e liderança de paz. Essas ideias mostram que as habilidades e comportamentos utilizados num momento próspero podem não ser os mais eficientes quando as coisas vão mal.

No artigo de hoje iremos destrinchar melhor este modelo de gestão, além de fornecer dicas importantes sobre como aplicá-lo na sua organização.

Antes de começar, lembre-se que será mais difícil se planejar durante uma crise. Ou seja, é fundamental preparar-se antecipadamente.

O que é gestão de crise?

Gestão de crise, ou gerenciamento de crise, se trata de uma metodologia que une as forças administrativas da empresa para reduzir os prejuízos quando ocorre algum tipo de crise na organização.

Também pode ser um processo para tornar essas forças mais inteligentes, estudando o possível impacto que um tempo de incertezas poderá acarretar para a empresa e produzindo um planejamento para avaliar diversos tipos de riscos que podem afetá-la.

A diferença entre organizações que saem fortalecidas desse momento e aquelas que são destruídas por ele está em dois fatores: preparo e adaptação.

É importante ter mecanismos prontos para acionar durante a instabilidade, uma espécie de “botão de emergência” cujos efeitos são conhecidos pela liderança.

Ao mesmo tempo, a crise traz consigo o imprevisível, obrigando os gestores a lidar com novas adversidades a cada dia.

Exemplo de uma gestão de crise 

Imagine a seguinte situação: por falta de planejamento, sua empresa enfrenta uma crise financeira.

Será preciso arcar com uma dívida que não fazia parte dos planos, e, agora, a companhia não tem os recursos para pagar esse débito.

Em poucos dias, máquinas e colaboradores vão parar suas atividades, pois não haverá matéria prima para continuar produzindo.

Como você lidaria com esse cenário?

Existem muitas formas de reverter a situação, mas todas envolvem uma boa gestão de crise.

Guarde essas dicas, pois elas também servem para evitar problemas similares no futuro.

Para começar, a equipe responsável pela gestão de crise deverá contar com um plano de negócios – documento que formaliza os objetivos de um negócio e o modo como eles serão alcançados.

O plano é relevante e necessário, visto que ele vai funcionar como uma espécie de mapa, orientando o empreendedor na tomada das principais decisões.

Ademais, faz-se necessário também o uso de ferramentas de controles de despesas, como fluxo de caixa e DRE (demonstração do resultado do exercício). Elas evitam que um novo “susto” piore ainda mais a situação.

Comunicação adequada à gestão de crise

É fundamental levantar, o quanto antes, ideias que possam amenizar ou encerrar a crise. Para isso você poderá utilizar o brainstorming, feito conjuntamente com sua equipe para definir as melhores formas de lidar com a situação.

Por ser feito em equipe, muito provavelmente ele ajudará a engajar e conectar seus colaboradores, fazendo com que os mesmos “comprem” a importância de enfrentar a crise.

A premissa que sustenta este processo é a de gerar muitas ideias que serão avaliadas e escolhidas posteriormente, para que o fluxo não seja interrompido.

Você pode se perguntar se ele é realmente eficaz, e para provar que sim, reflita sobre o seguinte evento: você está em uma reunião para resolver um problema. Um colaborador sugere o curso de ação, e imediatamente tem sua sugestão refutada ou questionada.

A situação se repete com a próxima pessoa, e consequentemente a equipe se desanima, deixando de colocar em questão algumas ideias que podem ser valiosas.

Nota-se, portanto, como o brainstorming poderia ajudar nessa ocasião.

Vantagens de uma boa gestão de crise

Além da vantagem óbvia disposta para a sua empresa quando a mesma adota uma boa gestão de crise, existem alguns outros benefícios que podem te convencer a investir em um planejamento desse tipo:

  1. transparência para o público, clientes e stakeholders;
  2. compliance empresarial;
  3. segurança para fornecedores e clientes.

Para obter esses benefícios de uma boa gestão, faz-se necessário construir um planejamento estratégico detalhado para o negócio. Ele abrange a organização inteira, e se trata de um documento que estabelece a estratégia a ser adotada para que a organização possa atingir seus objetivos gerais.

Em resumo, é uma forma inteligente de colocar uma organização na direção correta para realizar seus objetivos de curto, médio e longo prazo.  É importante entender que o planejamento estratégico difere do plano de negócios, mas ambos são essenciais para qualquer empresa. 

Dicas para ter um bom gerenciamento e evitar crises  

  1. Comunicação alinhada em todos os setores da empresa

Uma boa comunicação com a sua equipe é relevante não apenas para garantir a gestão de crise, como também para engajar seus colaboradores e fazer com que eles se sintam valorizados e consequentemente motivados.

No que tange à gestão de crise, essa dica funciona uma vez que, através da comunicação, podemos situar toda a organização nas condições reais, e, também, obter ideias e feedbacks que sejam úteis de alguma forma para a empresa em um momento especial.

  1. Manual de comportamento para gestão de crise

Através de ferramentas como o design thinking – processo que gera ideias e insights para abordar problemas relacionados à falta de informações – podemos elaborar de forma mais clara, objetiva e criativa um manual que nos auxilia a agir em situações de crise.

O design thinking promove a análise de conhecimentos atuais e proposta de soluções a partir dos mesmos. Ele combina empatia, criatividade e racionalidade para atender as necessidades da organização e criar soluções bem sucedidas de forma inovadora.

  1. Sempre se comunique com o público

A comunicação é importante não somente entre os colaboradores da empresa, mas também com o público, ou seja, os clientes.

Para fazer a ponte entre empresa e cliente, recomendamos que se faça uso do setor de Customer Success, o qual se responsabiliza pelo acompanhamento dos clientes no pós-venda. Ele irá criar ações para reter e fidelizar os mesmos, além de auxiliá-los a atingirem seus objetivos com a aquisição do produto ou serviço.

  1. Invista na gestão da inovação

Trata-se de processos baseados em permitir que a inovação possa seguir um fluxo contínuo em organizações. Isto se tornou relevante atualmente pois, parte-se do pressuposto que, toda empresa que busca um diferencial precisa inovar.

O controle desse processo e suas possíveis variações, como fundamentos e atividades, é chamado de Gestão da Inovação e garante uma inovação objetiva, com ideias que se transformam em resultados.

Por fim, darei uma dica extra: não se esqueça do RH. Em tempos de crise, o Departamento de Recursos Humanos também precisa pensar em sua equipe de forma estratégica. Isto pode ser feito através da garantia de segurança para os colaboradores e do fortalecimento da cultura da empresa, por exemplo.

Conclusão

É notória a importância de uma gestão de crise para sua empresa. Recomendamos que, se você ainda não adotou uma postura que garanta a segurança de sua companhia, avance nessa direção. É um processo valioso não somente para você, como para todos os colaboradores que dependem de um ambiente saudável e estável de trabalho. 

É claro que não desconsideramos as chances de imprevistos ocorrerem, mas reforçamos a ideia de que muitas situações podem ser prevenidas, e você conhece aquele famoso ditado: é melhor prevenir do que remediar.

Coloque as mãos na massa e invista na segurança do seu negócio como um todo, e lembre-se que investimento e inovação bem direcionados atraem lucro, nunca prejuízo.

Este conteúdo foi produzido em parceria com a AEVO.